Pular para o conteúdo principal

Comunicação eficaz: uma competência rara no ambiente corporativo

A comunicação está diretamente ligada à qualidade das relações humanas e, por isso, esta é uma competência extremamente importante para o ambiente corporativo. Por se tratar de algo inerente ao ser humano, é comum pensarem que se trata de uma competência fácil de ser desenvolvida. Entretanto, muitos são os exemplos de uma comunicação ineficaz, que podem abranger os mais diversos níveis hierárquicos.

A qualidade da comunicação afeta diretamente os resultados de uma organização, pois é através dela que: a estratégia corporativa é disseminada; o clima se estabelece; a motivação se mantém, entre outros tantos. Sua abrangência permeia, ainda, as relações que sustentam uma empresa.

É comum acreditar que o uso adequado das normas gramaticais ou, então, a formação acadêmica proporcionam mais assertividade na comunicação. Mas se trata de algo incompatível, pois se comunicar bem é uma habilidade, uma competência e está muito além do que uma boa fluência verbal. E exatamente pela sua raridade é muito valorizada no ambiente corporativo.

Por que se torna tão difícil a tarefa de se comunicar de maneira eficaz? A primeira questão importante, e que por isso merece destaque, é a necessidade do autoconhecimento. Conhecer as potencialidades e as fragilidades permite uma maior segurança na relação estabelecida entre as pessoas. Esta autoconfiança nada mais é do que fruto de uma reflexão sobre si, os desejos, os sonhos, as ambições, as frustrações e outros fatores que permeiam as características do ser humano.

Para que se possa enxergar o outro em sua essência, é necessário antes de tudo conhecer-se a si mesmo. A consciência de que cada ser é singular torna-se fundamental para a comunicação eficaz e, neste sentido, os líderes e os subordinados devem conhecer ao máximo a equipe de trabalho e todas as pessoas diretamente ligadas às atividades cotidianas.

O conhecimento sobre o outro permite a customização da comunicação. Os indivíduos, por exemplo, em suas singularidades, podem ser mais visuais, auditivos, sensoriais. Ou seja, para cada um é necessário uma estratégia diferenciada para aumentar a eficácia ao se comunicar.

Outro ponto de extrema relevância refere-se à escuta. Escutar bem, não é simplesmente estar em silêncio enquanto o outro fala, é saber decifrar o que outro diz, na própria fala, na comunicação não verbal produzida pela linguagem corporal que está presente ao contexto. É indispensável criar uma ponte imaginária que permita uma transferência ao outro, que permita a sinergia entre duas pessoas ou mesmo entre um grupo.

Para isso, é fundamental abster-se de pré-julgamentos. Cada pessoa possui um modelo mental, que foi constituído pela história de vida, por crenças e valores, mas que podem ser uma barreira para a eficácia da comunicação. Esse modelo mental, por sua vez, pode gerar uma série de inferências que distorcem um fato. Neste ponto, o autoconhecimento ajuda muito, pois se torna mais fácil analisar o fato de maneira mais imparcial e menos impulsiva.

O líder, principalmente, deve ter um cuidado especial ao tratar toda a abrangência da comunicação junto aos membros da sua equipe, pois para influenciar pessoas é necessário utilizar uma linguagem efetiva. A liderança, vale lembrar, deve estabelecer uma relação de confiança, um ambiente propício a troca de informações e ideias, bem como o incentivo ao feedback contínuo é extremamente importante nas adequações dos processos de uma equipe. E quando uma relação de confiança é estabelecida, as inseguranças e as possíveis maledicências internas são diminuídas, pois a equipe sente-se integrada.

O cuidado com a comunicação também é fundamental para o êxito na carreira. Saber refletir sobre o que dizer, como dizer, em qual momento dizer baseado no público-alvo pode minimizar ruídos na comunicação. Esta é uma competência que deve ser observada continuamente, visando sempre manter saudável a qualidade das relações e assim, atingindo ou superando os resultados traçados para a equipe.

Fonte: Por Karine Luiza Rezende Silva Araújo para o RH.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Novas regras para o seguro desemprego

A nova regra determina que o empregado que negar duas vezes a uma vaga de mercado ficará sem o seguro. Os trabalhadores que dependerem do seguro desemprego devem ficar atentos às novas regras do Governo Federal. Entre as novidades estão a suspensão do benefício para quem recusar a segunda oferta de emprego de trabalho. O Secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos informa que a regra já entrou em vigor dês do dia 04/04/2011. Na prática, isso significa que o trabalhador, ao dar entrada no seguro desemprego, vai fazer um cadastro com o seu perfil profissional. Esses dados serão compartilhados automaticamente entre as empresas que estão com vagas em aberto, via internet. Caso seja detectado que há vaga que combine com o perfil do trabalhador, será feito o encaminhamento pelo Sine. Se a empresa entender que o perfil daquele profissional atende ao que está sendo pleiteado, o trabalhador poderá ser empregado. O desejo da criação da nova regra parte do pressuposto que todos os tr…

Como fazer um script eficaz para atendimento

Um script eficaz exige muito mais do seu autor do que apenas passar as informações que o cliente precisa saber sobre o produto. Mas, você sabe como construi um?

No mundo atual, prender a atenção de uma pessoa do outro lado da linha é uma missão cada vez mais difícil e para isso as empresas de contact center têm se preparado.

Aquele texto robotizado que parece ser proclamado por uma máquina, e que não está aberto a perguntas ou interrupções, ficou no passado. O diretor de clientes da empresa Atento Flávio Henrique Ribeiro diz que os roteiros das operações são feitos em conjunto com o cliente, buscando aperfeiçoar o atendimento. “A empresa se dedica a conhecer a fundo cada operação. Procuramos desenvolver linhas de argumentação para evitar a robotização no atendimento”, afirma Ribeiro.

Apesar desse engajamento entre empresa e cliente, o diretor ressalta que é necessário certificar-se de que o operador está no ambiente certo. Cada pessoa tem um perfil diferente e não há roteir…

As vantagens e desvantagens da Dinâmica de Grupo

Apesar de ser temida por alguns candidatos, especialista garante que técnica pode identificar características necessárias para a vaga.Em processos seletivos de diversas empresas, a fase que segue a seleção do currículo é a famosa Dinâmica de Grupo – para receio de muitos candidatos, que consideram essa a etapa mais difícil, principalmente para os mais tímidos e introspectivos. Porém, para o selecionador, as atividades em grupo solicitadas durante o processo, quando bem aplicadas, são capazes de mostrar características e habilidades que serão necessárias para determinada vaga.
As Dinâmicas de Grupo são muito usadas para seleção de estagiários ou trainees. Na seleção de cargos executivos e gerências, são raros os processos que incluem a entrevista em grupo. "O querem observar nesses processos é interação entre os candidatos. Os especialistas vão buscar sinais de liderança, capacidade de trabalho em equipe ou o contrário, tudo dependendo do perfil que a vaga em questão ex…